Agregador de feeds

7amleh: Palestinian civil society coalitions call on Google to put Palestine on its maps

APC - qui, 30/07/2020 - 12:29

Palestinian civil society denounces Google Maps' digital discrimination against Palestinians, and urges Google to abide by international law and human rights standards including in the case of Palestine.

Language English

Domestic abuse during COVID-19 includes financial and online abuse

APC - qua, 29/07/2020 - 16:12

There are increasing rates of domestic violence and abuse during the COVID-19 lockdowns imposed in different countries. This violence includes abuse that relies on online means and includes financial abuse and exploitation, which particularly harm the independence of those who are the targets.

Joint statement welcomes the gains in advancing the rights of women and girls at the 44th session of the Human Rights Council

APC - ter, 28/07/2020 - 11:54

This joint statement welcomes the resolution on elimination of discrimination against women and girls adopted at this HRC session, which focuses on multiple and intersecting forms of discrimination faced by women and girls and the measures states should take to address the same issues.

APC at RightsCon Online 2020

APC - qua, 22/07/2020 - 19:15

The 2020 RightsCon will take place online from July 27-31. APC values the conference as a convening space to strategise, share and contribute to discussions concerning the protection of human rights in the digital space. Throughout the program we plan to promote a global South perspective to human rights online, including by supporting and promoting the important work of APC’s members.

Language English

Mexican Congress’ implementation of USMCA IP provisions threatens democracy and digital rights

APC - qua, 22/07/2020 - 17:36

An open letter by public interest organisations and individuals in reaction to the approval by Mexican Congress of sweeping changes to the federal copyright regime in implementation of the Agreement between United States-Canada-Mexico Free Trade Agreement (USMCA).

Notes on the 44th session of the Human Rights Council

APC - qua, 22/07/2020 - 14:16

HRC44 wrapped up on 14 July. The internet and new technologies were in focus to a significant degree, with a number of resolutions, panels and reports touching on the online dimension of human rights. Here are some highlights of outcomes relating to human rights online at this past session.

Language English

Policy reform: Working towards feminist transformation and change

APC - qua, 22/07/2020 - 12:00

The Feminist Internet Research Network intentionally seeks to go beyond research to impact on policy and advocacy. But what should a feminist approach to policy shifts encompass, specifically coming from the global South?

African Internet Resilience: What about complementary access models?

APC - qua, 22/07/2020 - 11:02

How can complementary models promote access in underserved areas? Which policies and regulations should be implemented to enable them? The fifth webinar of the Internet Resilience in Africa series will take place on 30 July to address these issues.

Language English

FMA: #HijaAko and what the current data map on online gender-based violence in the Philippines is telling us

APC - ter, 21/07/2020 - 12:26

Because of the pandemic, more people are staying home and enjoying the benefits of technology. Women, however, can have a different online experience as gender-based violence manifests in various ways in virtual spaces.

Language English

DEF: Low-cost connectivity solutions fostering openness in times of COVID-19

APC - ter, 21/07/2020 - 12:15

Because of the pandemic, India has been under lockdown since March. What does this mean for rural communities, only 20% of whom have access to the internet? Community networks established by organisations like Digital Empowerment Foundation are bringing critical services to 100 villages of India.

Language English

#HoldTheLine Coalition calls for criminal tax charge to be dropped as Maria Ressa returns to court

APC - ter, 21/07/2020 - 11:20

The #HoldTheLine Coalition demands the Philippines authorities drop a barrage of bogus tax and foreign ownership cases against internationally celebrated journalist Maria Ressa and Rappler – the news organisation she founded.

Good news, bad news: A story of internet shutdowns in Togo and Ethiopia

APC - seg, 20/07/2020 - 15:55

Last month the Economic Community of West African States Community Court of Justice ruled that the 2017 internet shutdown in Togo was illegal. But barely a week later, Ethiopia initiated a nationwide shutdown, serving as a reminder of the persistent threat of internet shutdowns on the continent. 

Language English

Inside the Digital Society: Past, present, future. How comms have changed within my lifetime – and the lessons learned

APC - seg, 20/07/2020 - 07:21

1955’s a long time back in many ways, but time’s flown fast for ICTs. Britain then, like everywhere, was a very analogue society. 

HRC44: Joint NGO full written end-of-session statement

APC - sex, 17/07/2020 - 17:28

APC and other civil society organisations issued this joint statement at the conclusion of the 44th regular session of the Human Rights Council to welcome the advances made, express concern over continued rights violations, and put forward recommendations for future efforts by the Council.

Polish protests against abortion ban during COVID-19

APC - qui, 16/07/2020 - 18:40

As a new bill which could restrict abortion even further was debated, Polish women found new ways to continue their protests for abortion rights, even in the face of lockdown measures caused by COVID-19.

Community Networks Stories: Sharing the vision and importance of the network, to improve and strengthen people’s lives

APC - qua, 15/07/2020 - 14:00

Nontsokolo Sigcau, better known by those around her as Mama Sigcau, is one of the pillars in the community of Mankosi as well as one of the original Zenzeleni Mankosi Cooperative directors, and has been involved in the network through its multiple phases over the last seven years.

EngageMedia's Pretty Good Podcast: AI and its role in COVID-19 responses

APC - qua, 15/07/2020 - 12:06

On the third episode of Pretty Good Podcast, ARTICLE 19 digital programme officer Vidushi Marda dissects the role of artificial intelligence (AI) in the region’s response to COVID-19 and what the new applications of this technology mean for digital rights after the pandemic.

Language English

Joint civil society statement: Structural intervention is required to mitigate the racially discriminatory impacts of emerging digital technologies including AI

APC - qua, 15/07/2020 - 11:22

As widespread recent protests have highlighted, racial inequality remains an urgent and devastating issue around the world, and this is as true in the context of technology as it is everywhere else.

Eletrificação de transportes: um desafio para a América Latina urbanizada

IPS - ter, 14/07/2020 - 23:17

Por Mario Osava, IPS – 

RIO DE JANEIRO, 13 de julho de 2020 (IPS) – O transporte elétrico, ainda limitado na América Latina, apesar de seus benefícios urbanos, pode se expandir durante a recuperação econômica pós-pandemia, diz Adalberto Maluf, presidente da Associação Brasileira de Veículos Elétricos (ABVE).

Se houver grandes investimentos na necessária reativação da economia, eles devem fazer parte de “uma transição para uma economia verde, em uma agenda para o futuro”, como alguns países europeus já decidiram, disse Maluf, que também é diretor de Brasil da empresa chinesa BYD, maior fabricante mundial de veículos 100% elétricos.

Iêda de Oliveira está ao volante de um dos ônibus fabricados pela empresa que lidera, a Eletra, pioneira em ônibus elétricos e híbridos no Brasil. Lamenta que o Brasil, devido à falta de políticas públicas adequadas, tenha perdido o mercado externo de ônibus e parte do mercado interno para a China, depois de ter sido um grande exportador de ônibus para a América Latina e outras regiões. CRÉDITO: Cortesia de Eletra

“A transição para a mobilidade elétrica movida a energia limpa está começando a gerar um interesse crescente entre os governos e também entre os cidadãos”, observa o relatório “Mobilidade elétrica 2019: status e oportunidades de colaboração regional na América Latina e no Caribe”, divulgado em espanhol em 2 de julho pela ONU Meio Ambiente.

Isso se reflete no “surgimento de diferentes grupos da sociedade civil dedicados a esse setor e compostos por entusiastas, adotantes e empreendedores”, segundo o relatório, que aponta para um impulso maior no transporte público nos 20 países estudados.

Em uma região que se urbanizou rapidamente, com 80% da população vivendo em áreas urbanas e onde o número de grandes cidades subiu, os veículos elétricos estão melhorando o meio ambiente, o transporte, a qualidade de vida e a saúde coletiva, além de abrir novas possibilidades econômicas e geração de empregos e inovações tecnológicas.

O transporte é responsável por 22% das emissões da região de poluentes climáticos de curta duração e 15% dos gases de efeito estufa, de acordo com o relatório do escritório regional da agência, também conhecido como Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

A eletrificação de 100% do transporte urbano impediria 180.117 mortes de 2019 a 2050 na Cidade do México, 207.672 em Buenos Aires e 13.003 em Santiago, eliminando os gases e o material particulado emitido por veículos convencionais, estima o relatório.

A eficiência da eletricidade, muito superior à dos combustíveis fósseis nos veículos, oferece uma grande vantagem econômica a médio prazo.

Um ônibus fabricado pela BYD, empresa chinesa fundada em 1995 que logo se tornou uma potência na produção de baterias recarregáveis, ônibus elétricos, carros e painéis solares. No Brasil, a empresa instalou-se na cidade de Campinas, a 100 quilômetros de São Paulo. Sua produção é focada em energia limpa e transporte. CRÉDITO: Cortesia de BYD Brasil

O veículo elétrico é mais caro por causa da bateria, que pode custar quase metade do total de um ônibus que pode percorrer 200 quilômetros sem recarregar, disse Iêda de Oliveira, diretora executiva da Eletra, empresa de ônibus elétricos fundada em 1988 em São Bernardo do Campo, perto da metrópole brasileira de São Paulo.

A diferença de preço, ela disse à IPS por telefone, é recuperada em poucos anos devido à economia de energia e manutenção, uma vez que os motores elétricos têm menos peças e se desgastam menos.

As vantagens econômicas são acentuadas em países que, como o Chile, dependem de petróleo importado e, portanto, sofrem os efeitos de oscilações internacionais de preços e flutuações nas taxas de câmbio.

O Chile se destaca na eletrificação de seu transporte urbano. A Rede Metropolitana de Mobilidade de Santiago tinha 386 ônibus elétricos até o final de 2019. Haverá quase 800 até o final de 2020. BYD (Build Your Dreams) é o maior fornecedor de ônibus elétricos no Chile, Maluf disse à IPS por telefone de São Paulo.

Além disso, o Chile estabeleceu uma meta de eletrificar toda a sua frota de transporte público e 40% do transporte privado até 2050, como parte da Estratégia Nacional de Eletromobilidade aprovada em 2016.

A Colômbia também se destaca, com 483 ônibus elétricos em operação ou encomendados em Bogotá e outros 90 nas cidades de Cali e Medellín até o final de 2019. A meta nacional para 2030 é ter 600.000 veículos elétricos de todos os tipos, segundo o PNUMA relatório.

Costa Rica e Panamá são outros países da região que adotaram planos nacionais de mobilidade elétrica. Argentina, México e Paraguai estão elaborando suas próprias estratégias.

 O Dual Bus é uma inovação desenvolvida pela empresa brasileira Eletra, que tem a vantagem de adicionar mais flexibilidade ao barramento elétrico, que pode operar em duas configurações: como híbrido ou trólebus (com eletricidade fornecida por fios aéreos) e híbrido ou puro elétrica (bateria). No híbrido, a eletricidade é gerada internamente por um motor diesel. CRÉDITO: Cortesia de Eletra

O Brasil, que poderia liderar esse processo mesmo como fabricante de veículos elétricos, está “atrasado” em eletrificação, disse Maluf, acrescentando que “a BYD vendeu 1045 ônibus na América Latina em 2019, apenas quatro por cento dos quais foram para o Brasil”.

“O Chile é um exemplo disso; já era um grande importador de ônibus convencionais da indústria brasileira ”, disse Oliveira, que lidera o Grupo de Veículos Pesados ​​da ABVE, além de liderar a Eletra. “Por causa da miopia, o Brasil perdeu o mercado latino-americano para a China.

“Precisamos de uma política pública de transporte elétrico, que não seja apenas uma questão ambiental, mas também econômica, porque o Brasil pode ser um líder, dada a nossa grande frota, nossa indústria nacional de peças de reposição e nossa tecnologia nacional”, disse ela.

Objetivos claros, financiamento disponível, tributação mais favorável que leve em conta benefícios ambientais, sociais e de saúde, incentivos à produção local de baterias e expansão da infraestrutura de recarga devem fazer parte dessa política, disse Oliveira.

Depender de baterias importadas provou ser uma armadilha. De repente, eles se tornaram escandalosamente caros devido à desvalorização de 35% da moeda brasileira, o real, este ano, apontou.

Para ela, a corrida por baterias de maior capacidade não é o único caminho a seguir. Outra opção é criar mais estações de carregamento e usar baterias menores. “Expandir a infraestrutura e usar baterias menores faz mais sentido, se você puder carregá-las com mais frequência”, disse Oliveira.

Adalberto Maluf, presidente da Associação Brasileira de Veículos Elétricos e diretor de marketing e sustentabilidade da BYD Brasil, subsidiária da empresa chinesa que é o maior produtor mundial de ônibus elétricos e um dos maiores fabricantes de baterias e painéis solares, espera que a conscientização pública sobre meio ambiente e saúde após a pandemia do COVID-19 impulsionará a eletrificação do transporte, especialmente o transporte urbano. CRÉDITO: Cortesia de Adalberto Maluf

Maluf afirmou que alegar que não existem estações de carregamento suficientes para argumentar contra o aumento do número de veículos elétricos no Brasil não é mais justificado. Existem pelo menos duas rotas de veículos elétricos, uma na rodovia mais movimentada do país, entre o Rio de Janeiro e São Paulo, e existem estações de carregamento espalhadas em outros lugares.

Além disso, as baterias podem ser carregadas rapidamente hoje, em meia hora e em apenas 15 minutos, 70% da capacidade pode ser alcançada, disse ele.

A falta de familiaridade com a tecnologia é o principal fator para conter a propagação da eletromobilidade, disse Maluf.

Há também resistência e pressão política de interesses arraigados no setor de transporte, como o setor automotivo tradicional, produtores de etanol, distribuidores de combustível e empresas de ônibus urbanos.

No entanto, a eletrificação está progredindo em diferentes áreas. Motocicletas, bicicletas e scooters elétricas estão crescendo rapidamente nas cidades que estão se adaptando a novas modalidades.

O transporte de carga também está gradualmente aderindo à nova tendência. A “reforma” de caminhões para substituir motores a diesel por motores elétricos é o novo negócio em expansão da Eletra.

No Brasil, veículos elétricos híbridos predominam.

O relatório da ONU sobre Meio Ambiente reconhece apenas 2045 veículos elétricos registrados no Brasil até outubro de 2019. Mas conta apenas com veículos elétricos plugáveis ​​e exclui híbridos que funcionam com um motor de combustão interna e um motor elétrico que utiliza energia armazenada em baterias, responsáveis ​​por mais de 90% da frota eletrificada.

As estatísticas da ABVE contam com um total de 30.092 veículos elétricos registrados de 2012 a junho de 2020. O número de veículos registrados subiu três vezes em 2019 em relação ao ano anterior, para 11.858. Os híbridos representaram 95,4% do total em 2018.

Diversidade de opções é o melhor caminho, dadas as necessidades e vantagens locais, argumentou Oliveira. Adicionar uma pequena bateria a um trólebus, por exemplo, oferece flexibilidade que reduz o custo operacional, disse ela.

Novos modelos de negócios também promovem soluções. Compartilhamento de carros, aluguel de veículos, geradores elétricos e associação de distribuidores de energia ao transporte urbano são algumas alternativas.

O modelo chileno que separa o proprietário dos ônibus dos operadores é interessante, pois atrai fundos de investimento para a compra de veículos em larga escala, a custos mais baixos e facilita soluções para conflitos, disse Maluf.

 

Traduzido por Ana Maria Vasconcellos, da Agência Envolverde

#Envolverde

 

O post Eletrificação de transportes: um desafio para a América Latina urbanizada apareceu primeiro em Agência Envolverde.

The post Eletrificação de transportes: um desafio para a América Latina urbanizada appeared first on IPS em português.

Eletrificação de transportes: um desafio para a América Latina urbanizada

IPS - ter, 14/07/2020 - 23:17

Por Mario Osava, IPS – 

RIO DE JANEIRO, 13 de julho de 2020 (IPS) – O transporte elétrico, ainda limitado na América Latina, apesar de seus benefícios urbanos, pode se expandir durante a recuperação econômica pós-pandemia, diz Adalberto Maluf, presidente da Associação Brasileira de Veículos Elétricos (ABVE).

Se houver grandes investimentos na necessária reativação da economia, eles devem fazer parte de “uma transição para uma economia verde, em uma agenda para o futuro”, como alguns países europeus já decidiram, disse Maluf, que também é diretor de Brasil da empresa chinesa BYD, maior fabricante mundial de veículos 100% elétricos.

Iêda de Oliveira está ao volante de um dos ônibus fabricados pela empresa que lidera, a Eletra, pioneira em ônibus elétricos e híbridos no Brasil. Lamenta que o Brasil, devido à falta de políticas públicas adequadas, tenha perdido o mercado externo de ônibus e parte do mercado interno para a China, depois de ter sido um grande exportador de ônibus para a América Latina e outras regiões. CRÉDITO: Cortesia de Eletra

“A transição para a mobilidade elétrica movida a energia limpa está começando a gerar um interesse crescente entre os governos e também entre os cidadãos”, observa o relatório “Mobilidade elétrica 2019: status e oportunidades de colaboração regional na América Latina e no Caribe”, divulgado em espanhol em 2 de julho pela ONU Meio Ambiente.

Isso se reflete no “surgimento de diferentes grupos da sociedade civil dedicados a esse setor e compostos por entusiastas, adotantes e empreendedores”, segundo o relatório, que aponta para um impulso maior no transporte público nos 20 países estudados.

Em uma região que se urbanizou rapidamente, com 80% da população vivendo em áreas urbanas e onde o número de grandes cidades subiu, os veículos elétricos estão melhorando o meio ambiente, o transporte, a qualidade de vida e a saúde coletiva, além de abrir novas possibilidades econômicas e geração de empregos e inovações tecnológicas.

O transporte é responsável por 22% das emissões da região de poluentes climáticos de curta duração e 15% dos gases de efeito estufa, de acordo com o relatório do escritório regional da agência, também conhecido como Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

A eletrificação de 100% do transporte urbano impediria 180.117 mortes de 2019 a 2050 na Cidade do México, 207.672 em Buenos Aires e 13.003 em Santiago, eliminando os gases e o material particulado emitido por veículos convencionais, estima o relatório.

A eficiência da eletricidade, muito superior à dos combustíveis fósseis nos veículos, oferece uma grande vantagem econômica a médio prazo.

Um ônibus fabricado pela BYD, empresa chinesa fundada em 1995 que logo se tornou uma potência na produção de baterias recarregáveis, ônibus elétricos, carros e painéis solares. No Brasil, a empresa instalou-se na cidade de Campinas, a 100 quilômetros de São Paulo. Sua produção é focada em energia limpa e transporte. CRÉDITO: Cortesia de BYD Brasil

O veículo elétrico é mais caro por causa da bateria, que pode custar quase metade do total de um ônibus que pode percorrer 200 quilômetros sem recarregar, disse Iêda de Oliveira, diretora executiva da Eletra, empresa de ônibus elétricos fundada em 1988 em São Bernardo do Campo, perto da metrópole brasileira de São Paulo.

A diferença de preço, ela disse à IPS por telefone, é recuperada em poucos anos devido à economia de energia e manutenção, uma vez que os motores elétricos têm menos peças e se desgastam menos.

As vantagens econômicas são acentuadas em países que, como o Chile, dependem de petróleo importado e, portanto, sofrem os efeitos de oscilações internacionais de preços e flutuações nas taxas de câmbio.

O Chile se destaca na eletrificação de seu transporte urbano. A Rede Metropolitana de Mobilidade de Santiago tinha 386 ônibus elétricos até o final de 2019. Haverá quase 800 até o final de 2020. BYD (Build Your Dreams) é o maior fornecedor de ônibus elétricos no Chile, Maluf disse à IPS por telefone de São Paulo.

Além disso, o Chile estabeleceu uma meta de eletrificar toda a sua frota de transporte público e 40% do transporte privado até 2050, como parte da Estratégia Nacional de Eletromobilidade aprovada em 2016.

A Colômbia também se destaca, com 483 ônibus elétricos em operação ou encomendados em Bogotá e outros 90 nas cidades de Cali e Medellín até o final de 2019. A meta nacional para 2030 é ter 600.000 veículos elétricos de todos os tipos, segundo o PNUMA relatório.

Costa Rica e Panamá são outros países da região que adotaram planos nacionais de mobilidade elétrica. Argentina, México e Paraguai estão elaborando suas próprias estratégias.

 O Dual Bus é uma inovação desenvolvida pela empresa brasileira Eletra, que tem a vantagem de adicionar mais flexibilidade ao barramento elétrico, que pode operar em duas configurações: como híbrido ou trólebus (com eletricidade fornecida por fios aéreos) e híbrido ou puro elétrica (bateria). No híbrido, a eletricidade é gerada internamente por um motor diesel. CRÉDITO: Cortesia de Eletra

O Brasil, que poderia liderar esse processo mesmo como fabricante de veículos elétricos, está “atrasado” em eletrificação, disse Maluf, acrescentando que “a BYD vendeu 1045 ônibus na América Latina em 2019, apenas quatro por cento dos quais foram para o Brasil”.

“O Chile é um exemplo disso; já era um grande importador de ônibus convencionais da indústria brasileira ”, disse Oliveira, que lidera o Grupo de Veículos Pesados ​​da ABVE, além de liderar a Eletra. “Por causa da miopia, o Brasil perdeu o mercado latino-americano para a China.

“Precisamos de uma política pública de transporte elétrico, que não seja apenas uma questão ambiental, mas também econômica, porque o Brasil pode ser um líder, dada a nossa grande frota, nossa indústria nacional de peças de reposição e nossa tecnologia nacional”, disse ela.

Objetivos claros, financiamento disponível, tributação mais favorável que leve em conta benefícios ambientais, sociais e de saúde, incentivos à produção local de baterias e expansão da infraestrutura de recarga devem fazer parte dessa política, disse Oliveira.

Depender de baterias importadas provou ser uma armadilha. De repente, eles se tornaram escandalosamente caros devido à desvalorização de 35% da moeda brasileira, o real, este ano, apontou.

Para ela, a corrida por baterias de maior capacidade não é o único caminho a seguir. Outra opção é criar mais estações de carregamento e usar baterias menores. “Expandir a infraestrutura e usar baterias menores faz mais sentido, se você puder carregá-las com mais frequência”, disse Oliveira.

Adalberto Maluf, presidente da Associação Brasileira de Veículos Elétricos e diretor de marketing e sustentabilidade da BYD Brasil, subsidiária da empresa chinesa que é o maior produtor mundial de ônibus elétricos e um dos maiores fabricantes de baterias e painéis solares, espera que a conscientização pública sobre meio ambiente e saúde após a pandemia do COVID-19 impulsionará a eletrificação do transporte, especialmente o transporte urbano. CRÉDITO: Cortesia de Adalberto Maluf

Maluf afirmou que alegar que não existem estações de carregamento suficientes para argumentar contra o aumento do número de veículos elétricos no Brasil não é mais justificado. Existem pelo menos duas rotas de veículos elétricos, uma na rodovia mais movimentada do país, entre o Rio de Janeiro e São Paulo, e existem estações de carregamento espalhadas em outros lugares.

Além disso, as baterias podem ser carregadas rapidamente hoje, em meia hora e em apenas 15 minutos, 70% da capacidade pode ser alcançada, disse ele.

A falta de familiaridade com a tecnologia é o principal fator para conter a propagação da eletromobilidade, disse Maluf.

Há também resistência e pressão política de interesses arraigados no setor de transporte, como o setor automotivo tradicional, produtores de etanol, distribuidores de combustível e empresas de ônibus urbanos.

No entanto, a eletrificação está progredindo em diferentes áreas. Motocicletas, bicicletas e scooters elétricas estão crescendo rapidamente nas cidades que estão se adaptando a novas modalidades.

O transporte de carga também está gradualmente aderindo à nova tendência. A “reforma” de caminhões para substituir motores a diesel por motores elétricos é o novo negócio em expansão da Eletra.

No Brasil, veículos elétricos híbridos predominam.

O relatório da ONU sobre Meio Ambiente reconhece apenas 2045 veículos elétricos registrados no Brasil até outubro de 2019. Mas conta apenas com veículos elétricos plugáveis ​​e exclui híbridos que funcionam com um motor de combustão interna e um motor elétrico que utiliza energia armazenada em baterias, responsáveis ​​por mais de 90% da frota eletrificada.

As estatísticas da ABVE contam com um total de 30.092 veículos elétricos registrados de 2012 a junho de 2020. O número de veículos registrados subiu três vezes em 2019 em relação ao ano anterior, para 11.858. Os híbridos representaram 95,4% do total em 2018.

Diversidade de opções é o melhor caminho, dadas as necessidades e vantagens locais, argumentou Oliveira. Adicionar uma pequena bateria a um trólebus, por exemplo, oferece flexibilidade que reduz o custo operacional, disse ela.

Novos modelos de negócios também promovem soluções. Compartilhamento de carros, aluguel de veículos, geradores elétricos e associação de distribuidores de energia ao transporte urbano são algumas alternativas.

O modelo chileno que separa o proprietário dos ônibus dos operadores é interessante, pois atrai fundos de investimento para a compra de veículos em larga escala, a custos mais baixos e facilita soluções para conflitos, disse Maluf.

 

Traduzido por Ana Maria Vasconcellos, da Agência Envolverde

#Envolverde

 

O post Eletrificação de transportes: um desafio para a América Latina urbanizada apareceu primeiro em Agência Envolverde.

The post Eletrificação de transportes: um desafio para a América Latina urbanizada appeared first on IPS em português.

Páginas