Agregador de feeds

#IWantALetter: Take action to demand that Egyptian authorities provide information updates on their response to the pandemic in prisons

APC - qua, 12/08/2020 - 14:36

Family members and lawyers have a right to communicate with their loved ones and clients at all times, but particularly during a pandemic. The public also has a right to information on measures to curb the spread of COVID-19 inside prisons. These are the reasons behind the #IWantALetter campaign.

Language English

Machín 2 machín: A critical feminist and psychosocial perspective on new digital networks (1)

APC - qua, 12/08/2020 - 12:44

In the first half of this two-part article, Loreto Bravo Muñoz and Peter Bloom share a critique of the new networks that are emerging with the rushed transition to 5G, from a feminist and psychosocial perspective.

My sextortion birthday: Digital violence during COVID-19

APC - qua, 12/08/2020 - 12:27

The lockdown raises questions around digital security and safety. From online conferences being hacked to individual women targeted for extortion, there is a lot happening. In this personal essay, one woman navigates sextortion through expression, art and fantasy.

Open letter: Brazilian Federal Supreme Court Justices are called upon to correct serious injustice and to protect press freedom and the rights to information and protest in the emblematic case of Alex da Silveira

APC - qua, 12/08/2020 - 11:07

The case of photographer Alexandro Wagner Oliveira da Silveira, hit by a rubber bullet in his left eye during a protest in May 2000, is on the agenda at the Brazilian Federal Supreme Court, to be tried on 14 August. It is seen as an emblematic episode of violence against journalists in Brazil.

Migração de jovens prejudica a agricultura do Malauí

IPS - qua, 12/08/2020 - 06:53

DISTRITO DE CHIRADZULU / BLANTYRE, Malauí, 12 de agosto de 2020 (IPS) – Enquanto as famílias no distrito de Chiradzulu, no sul do Malauí, começam a preparar suas fazendas para a próxima temporada de cultivo de milho, Frederick Yohane, 24, é um jovem ocupado. Todas as manhãs, ele trabalha com seus dois irmãos no campo da família, onde cultivam milho e feijão guandu. À tarde, ele lavra fazendas de outras pessoas, para arrecadar dinheiro para suas necessidades e sustentar sua família.

Duas vezes por semana, ele vai de bicicleta aos mercados próximos para vender as galinhas que compra nas aldeias vizinhas. Essa tem sido sua vida desde os 16 anos, quando seu pai sofreu um derrame que paralisou sua perna e braço esquerdos. Yohane terminou o ensino médio em 2014, dois anos depois que seu pai adoeceu. Mas ele não passou nos exames finais.

Sem um certificado de conclusão da escola, ele seguiu a rota de muitos jovens neste distrito rural, que viajam para Blantyre, a capital comercial de Malauí, em busca de empregos, principalmente, como assistentes em lojas asiáticas ou como vendedores ambulantes. “Por meio de um amigo, encontrei trabalho em uma loja de ferragens de um indiano. Mas o dinheiro não era bom em comparação com o que eu ganhava na aldeia. Então, só trabalhei dois meses e voltei”, contou à IPS.

Yohane não planeja voltar à cidade para procurar emprego. Ele acredita que pode ganhar mais dinheiro na aldeia se trabalhar mais. “Além disso, eu sou o filho mais velho. Meu pai não pode mais trabalhar. Minha mãe passa muito tempo cuidando de nosso pai. Somos nós três, eu e meus irmãos, trabalhando no campo”, explicou.

A família de Yohane é uma das milhões no Malauí que depende da mão de obra familiar para suas fazendas. A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) afirma, em seu folheto informativo sobre pequenas fazendas familiares no Malauí, que os agricultores representam 80% da população total de 17,5 milhões do país. Dessa população de agricultores, cerca de 75% são de pequenas propriedades familiares, que dependem da mão de obra familiar.

No entanto, como o resto da África, o Malauí sofre uma alta taxa de migração rural, principalmente por jovens que buscam uma vida melhor nas cidades. Quando os jovens, que constituem a maioria da população do país, migram para os centros urbanos, a produtividade da agricultura familiar diminui, de acordo com os resultados de um estudo encomendado pelo Instituto Internacional de Agricultura Tropical (IITA) no Malauí, em 2018, no âmbito do seu programa Melhoria da Capacidade de Aplicação de Evidências de Pesquisa (Care), da Política de Participação Juvenil no Agronegócio e Atividades Econômicas Rurais na África.

No âmbito do programa Care, o IITA está trabalhando com jovens pesquisadores na África, para promover a compreensão do impacto da redução da pobreza, e os fatores que influenciam o envolvimento dos jovens no agronegócio e na economia rural e não agrícola, disse à IPS Timilehin Osunde, oficial de comunicações do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (Fida) para o Projeto Care na Nigéria.

No estudo Care do Malauí, o investigador Emmanuel Tolani entrevistou agregados familiares nos distritos de Zomba e Lilongwe, ambos conhecidos por sua alta produção de milho, a cultura básica do país. O estudo centrou-se nos lares onde os jovens migraram para os centros urbanos, em comparação com aqueles onde os jovens não se mudaram.

De acordo com o Resumo de Política resultante, intitulado Juventude em Movimento: Efeitos do Bem-Estar nas Famílias de Origem, a pesquisa descobriu que as famílias com jovens que migraram para os centros urbanos estavam produzindo cada uma 13 sacas de 50 quilos a menos do que poderiam colher se os jovens não tivessem migrado.

“Isso pode ser atribuído ao fato de que a migração de jovens membros da família estava levando à perda de produção agrícola, porque a mão de obra deles não era compensada pela contratação de trabalhadores com as remessas recebidas”, aponta o comunicado.

Resumindo, Tolani recomendou a introdução de atividades geradoras de renda entre as famílias rurais, para reduzir a necessidade de buscarem outros meios de diversificar suas rendas, como estimular a migração de jovens. Osunde destacou que a falta de um ambiente adequado para o agronegócio, a busca por oportunidades educacionais e acesso a serviços e recursos estão entre os fatores para a tendência de jovens rurais deixarem suas casas e irem para os centros urbanos na África.

Ao longo dos anos, o Malauí elaborou e implementou programas destinados a melhorar as condições sociais e econômicas das áreas rurais, o que poderia reduzir a migração. No entanto, essa migração para as cidades não diminuiu. A Comissão Nacional de Planejamento do Malauí atribui isso ao que diz serem “inconsistências de implementação de políticas entre regimes políticos”.

Esse argumento teve grande destaque nas discussões sobre desenvolvimento no Malauí, de modo que motivou o estabelecimento da Comissão Nacional de Planejamento. Estabelecido por meio de uma Lei do Parlamento em 2017, o mandato da Comissão é garantir a continuidade das políticas de desenvolvimento nas administrações políticas.

Por outro lado, Osunde observou que muitos programas de desenvolvimento rural na África fracassaram porque são elaborados por formuladores de políticas sem a contribuição da juventude rural. “Muitas vezes são implementados com uma abordagem de cima para baixo, em vez de uma abordagem de baixo para cima”, opinou à IPS.

Para apoiar os governos africanos na contenção da onda de migração rural de jovens, o IITA está implementando uma série de programas específicos para a agricultura, além do Care. Por exemplo, o Programa Start Them Early (Step) tem o objetivo de mudar a mentalidade dos jovens nas escolas primárias e secundárias, fornecendo-lhes conhecimentos básicos em agricultura para direcioná-los para carreiras relacionadas com a agricultura, explicou Osunde.

O IITA também está implementando o projeto Enable Youth, que oferece oportunidades para jovens subempregados, motivando-os a estabelecer empresas agrícolas e melhorar suas habilidades no agronegócio. “O programa ajuda a criar um ambiente de negócios favorável, ao promover políticas lideradas por jovens, e oferece uma rede de comunicação que fornece informações agrícolas muito necessárias para jovens envolvidos no agronegócio”, detalhou Osunde.

Além disso, o IITA Youth Agripreneurs visa a mudar as percepções dos jovens africanos sobre a agricultura, para verem que ela pode ser excitante e economicamente compensadora.

“Com a agricultura na África em grande parte sofrendo de percepções negativas entre os jovens, devido ao trabalho enfadonho envolvido, ganhos financeiros insuficientes e uma escassez de infraestrutura básica, o programa de jovens implementado pelo IITA busca mudar a percepção entre os jovens na África, criando recursos que podem capacitá-los a começar como agroempresários no continente. São programas específicos para a agricultura que o Malauí pode adotar para atrair os jovens para o agronegócio”, ressaltou Osunde à IPS.

O diretor-geral da Comissão de Planejamento Nacional, Thomas Munthali, explicou que atualmente estão mapeando o país em zonas com potencial de investimento para projetos financiáveis, que podem levar à redução da migração de jovens.

“A ideia é criar cidades secundárias nessas zonas, com base no potencial de terras para agricultura, mineração e turismo. Essas serão transformados em centros industriais que oferecerão empregos decentes e sustentáveis e facilidades socioeconômicas, assim como nas cidades”, enfatizou Munthali.

Enquanto os jovens rurais no Malauí esperam por tais programas, Yohane já decidiu ficar na aldeia. E ele está sonhando grande. “Colhemos milho suficiente para a nossa alimentação. Mas precisamos ganhar dinheiro. Portanto, estamos planejando alugar outro terreno este ano, onde poderemos plantar mais milho para venda. Não precisamos de mão de obra contratada. No futuro, queremos ver se podemos comprar mais terras nas quais possamos fazer uma agricultura comercial séria”, revelou.

The post Migração de jovens prejudica a agricultura do Malauí appeared first on IPS em português.

EngageMedia: A critical view of AI ethics: Looking at the substance of ethical guidelines

APC - ter, 11/08/2020 - 15:47

As technologies based on artificial intelligence (AI) gain traction, the need to govern them also becomes increasingly urgent. In recent years, ethical AI has surfaced as the de facto pathway towards safer and better AI, often manifested in lists of guidelines and principles or codes of conduct.

FIFAfrica20 to be hosted by CIPESA in partnership with Paradigm Initiative

APC - ter, 11/08/2020 - 14:42

On September 28-30, 2020, the seventh edition of the annual Forum on Internet Freedom in Africa will be co-hosted by the Collaboration on International ICT Policy for East and Southern Africa and Paradigm Initiative. 

Language English

AMC 2020 Session: Whose Internet? Our Internet!

APC - qui, 06/08/2020 - 20:56

At the 2020 Allied Media Conference over 50 activists came together online to build a collective timeline documenting this relationship - the past, present and the future.

Language English

Webcomic: The internet's footprint

APC - qui, 06/08/2020 - 11:48

We often hear that the internet is a cloud. But the internet has a big footprint. With this first release we start a reflective webcomic series around internet's infrastructure from a feminist technopolitical perspective.

COVID-19 or the necropolitics of lockdown: Who cares about trans bodies?

APC - qui, 06/08/2020 - 11:38

Kira Xonorika exposes the absence of public policies for trans people in Paraguay during the lockdown by COVID-19 and denounces the serious social consequences of corporeal colonialism that pathologises gender diversity.

COVID-19 is leaving women and LGBTQIA+ people in the USA vulnerable to online surveillance

APC - qui, 06/08/2020 - 11:31

Essential workers and service workers in the United States of America, especially those who belong to LGBTQIA+ community, are increasingly more vulnerable at the workplace during the COVID-19 pandemic. They are at risk of losing employment benefits, and are subject to discrimination and surveillance at their workplace.

Coconet: What are digital rights?

APC - ter, 04/08/2020 - 11:32

While human rights have been more clearly defined through the UN Declaration of Human Rights the same cannot be said for the terms “digital”, “technology”, or the “internet”. In that sense, what are digital rights? 

Language English

REG4COVID: Civil society responses to the pandemic

APC - ter, 04/08/2020 - 11:22

As a part of the ITU's pandemic response, the platform REG4COVID was launched, providing a space for regulators and civil society organisations around the world to share and discuss their own initiatives. APC asked their partner organisations to contribute to the platform and their submissions have been shared here.

Language English

Civil society groups welcome Irene Khan as the new Special Rapporteur on freedom of expression

APC - sex, 31/07/2020 - 18:59

APC joined with other civil society organisations to congratulate and welcome Irene Khan to her new role as Special Rapporteur on the promotion and protection of the right to freedom of opinion and expression, and to highlight some broad priority themes that require particular attention.

Apply to be part of the Video4Change Network

APC - sex, 31/07/2020 - 16:47

Video4Change, a consortium of human rights activists, journalists, trainers, and video practitioners who use video as their primary tool to effect social change, is taking applications for new members. 

Language English

Job opportunity: APC is looking for a communications associate

APC - sex, 31/07/2020 - 11:51

APC is looking for a communications associate to manage the external communications of APC’s Local Networks initiative in a way that contributes to addressing digital exclusion with a feminist and human rights-based approach. Apply before 19 August 2020.

Language English

Job opportunity: Local networks policy coordinator

APC - sex, 31/07/2020 - 09:42

APC is looking for a local networks policy coordinator to join the APC Local Networks (LocNet) policy team. The position has a particular focus on Southeast and South Asia. Apply before 21 August 2020.

Language English

Open letter from human rights NGO coalition to the Global Internet Forum to Counter Terrorism

APC - qui, 30/07/2020 - 17:18

APC and 14 other organisations have joined together to send a public letter to the newly appointed Global Internet Forum to Counter Terrorism (GIFCT) Executive Director Nicholas Rasmussen to apprise him of threats to human rights posed by GIFCT.

Community Networks and Local Access Monthly Newsletter - Number 27

APC - qui, 30/07/2020 - 13:46

Welcome to the 27th monthly round-up of developments impacting your local access networks.

Language English

KICTANet: Kenya’s burden – the effects of digital taxes on SMEs

APC - qui, 30/07/2020 - 12:45

The Kenyan government has introduced a digital tax programme that presents a challenge to pre-existing and new technology companies under the small and medium-sized categories (SMEs), which are the backbone of the country’s economy.

Language English

Páginas